IDENTIDADE E AFRO-BRASILIDADE EM BECOS DA MEMÓRIA DE CONCEIÇÃO EVARISTO

Eduardo Souza Ponce, Maria Carolina de Godoy

Resumo


Partindo do interesse de estudo da prosa de Conceição Evaristo, o presente artigo objetiva, ao analisar o romance Becos da Memória, publicado originalmente em 2006, identificar de que forma os denominadores comuns da literatura afro-brasileira, conforme organizados por Eduardo de Assis Duarte (2011), manifestam-se na prosa da autora mineira e de que forma eles estão entrelaçados às especificidades de sua escrita.  O romance, ao narrar o processo de desconstrução de uma favela na metrópole contemporânea, narra as vivências das mais diversas personagens, tendo como centro da narrativa Maria-Nova, personagem responsável por ouvir histórias e por comprometer-se a compartilhá-las. Ao afastar-se de estereótipos e exotismos, a autora faz de sua obra espaço de problematização da realidade dessa parcela da população e apresenta uma nova identidade negra no texto literário. Sendo assim, buscar-se-á, ao pensar no modo pelo qual a autora relaciona memória à identidade, compreender como a “escrevivência”, traço característico da escrita de Conceição Evaristo e responsável por estabelecer a convergência entre a escrita e a vivência individual e coletiva, revela-se estratégia responsável por alinhavar a voz autoral e o ponto de vista, elementos constituintes da literatura afro-brasileira, à problematização da identidade negra na tessitura da obra literária.


Palavras-chave


Identidade: Literatura Afro-Brasileira; Identidade

Texto completo:

PDF


ISSN 1676-9570 (impresso - ENCERRADO)

ISSN 2178-437X (eletrônico)

Licença Creative Commons
O trabalho identidade! de http://www.est.edu.br/periodicos/index.php/identidade foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Não Adaptada

 


Rua Amadeo Rossi, 467
Morro do Espelho - São Leopoldo - RS - Brasil
CEP 93.030-220 - Tel.: +55 51 2111 1400