Mãos à obra: porque Deus nos amou primeiro

Evaldo Luis Pauly

Resumo


Quase todas as pastorais que enfrentam a pobreza no Brasil são acusadas de assistencialistas. É a crítica fácil do senso comum teológico. A Educação Popular, como insistia Paulo Freire, supera o senso comum por dentro dele mesmo! Esta é a concepção epistemológica que sustenta a crítica difícil de superação do assistencialismo através da inserção orgânica dessas pastorais nas esferas públicas não-estatais que controlam algumas políticas públicas. A Lei Orgânica da Assistência Social criou condições políticas objetivas para superar o assistencialismo: o Conselho Municipal de Assistência Social e todos os outros Conselhos com os quais se relaciona.

Palavras-chave


Assistencialismo; Assistência social da Igreja; Serviço social

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.22351/et.v42i1.607

Direitos autorais



 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional

 ISSN 0101-3130 (impresso) ISSN 2237-6461 (eletrônico)


Rua Amadeo Rossi, 467
Morro do Espelho - São Leopoldo - RS - Brasil
CEP 93.030-220 - Tel.: +55 51 2111 1400