O papel dos africanos negros na história do povo de Deus

Peter T. Nash

Resumo


A Terra Santa, o Israel bíblico se encontrava bem na encruzilhada do mundo que lingüistas e alguns historiadores designam como Afro-Ásia. O mundo afro e o mundo asiático não foram mundos separados, mas entrelaçados lingüística e culturalmente. Infelizmente, a trajetória inicial (Expedição de Carsten Niehbuhr) dos estudos antropológicos e os achados arqueológicos foram longe demais em estabelecer uma ênfase mesopotâmica e uma negligência das influências africanas. Além disso, o racismo, tanto explícito quanto implícito, impedia a integração adequada das pesquisas dos povos africanos, e.g. o Egito e a Núbia, nos estudos bíblicos. Este artigo revisa a situação durante o século passado e fornece um exemplo, a história da interpretação européia de 2 Samuel 18.19-33, que não podia aceitar a presença de um africano entre a guarda de elite de Davi.

Palavras-chave


Negros na Bíblia; Afrocentrismo; África e Israel

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.22351/et.v42i1.605

Direitos autorais



 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional

 ISSN 0101-3130 (impresso) ISSN 2237-6461 (eletrônico)


Rua Amadeo Rossi, 467
Morro do Espelho - São Leopoldo - RS - Brasil
CEP 93.030-220 - Tel.: +55 51 2111 1400