Caminhando e cantando e seguindo a canção: o triste itinerário cantante do campesinato rumo ao Templo

Nelson Lellis

Resumo


O presente artigo tem por objetivo analisar o Salmo 126 pela plataforma histórico-social. Tendo em vista que o material fora escrito em época do Segundo Templo, em torno de 350-300 a.E.C., ele carrega elementos que ajudam a identificar a luta do campesinato na história do povo de Israel ao retornar do exílio na Babilônia em época do domínio persa. Os versos registram as memórias dos deportados que se uniram aos demais no campo. Dois estágios negativos são observados a partir do verso 4: a) o sofrimento com o período de estiagem e; b) a política (econômica) persa, onde Judá deveria se concentrar na produção de vinho e azeite (como outros povos subjugados haveriam de focar em diferentes cultivos na terra) – o que prejudicaria os que viviam da cultura do cereal. No primeiro momento, a relação com a teologia do Templo, em que Iahweh seria responsável pela seca; no segundo momento, a relação entre o Templo e a política persa, cujo tema faz sobressaltar no verso 6: a canção da resistência do camponês/peregrino.


Palavras-chave


Salmo 126; campesinato; política persa; Templo; resistência.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.22351/nepp.v43i2.2963

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários


Direitos autorais 2018 Protestantismo em Revista

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional

 ISSN 1678-6408


Rua Amadeo Rossi, 467
Morro do Espelho - São Leopoldo - RS - Brasil
CEP 93.030-220 - Tel.: +55 51 2111 1400